27 de março de 2013

Para que serve um feriado?


Esses dias estive me perguntando para que serve, de fato, um feriado. Sei que pode parecer muita falta do que fazer, mas levei alguns minutos - quiçá horas - divagando sobre o tema. E, sinceramente, não cheguei a nenhuma conclusão convincente. Mas, de qualquer forma, resolvi trazer até vocês essa discussão.
A verdade é que já estou desfrutando do feriado desde as 17h de hoje - e já estou bêbada, claro, senão nunca estaria escrevendo sobre tamanha inutilidade para vocês. Sou professora e, tirando todos os percalços, temos algumas regalias como essa coisa de enforcar feriados. Talvez, muito por isso eu tenha me perguntado sobre a serventia deles...


Feriados deveriam vir com manual de instrução, estou convencida disso. E explico: são tantos os planos para esses dias de folga tão esperados que mal sabemos por onde começar, o que acaba acarretando o nosso fracasso. É difícil conseguirmos concluir todas as tarefas que designamos para um feriado, não importante se trata-se de ir à praia ou terminar um trabalho atrasado da faculdade. É sempre muito provável que não consigamos efetivar nossos planos. E aí chega a segunda-feira (ou o próximo "dia útil", também conhecido como "a volta do inferno") e você começa a contar os dias para o feriado seguinte a fim de concluir as tão sonhadas "tarefas para o dia de folga".

Mas, calma!, nem tudo está perdido. Apesar de não encontrar uma conclusão convincente sobre a serventia do feriado, tentei bolar maneiras de driblar esse "não-conclusionismo" que nos toma nesses dias de "bunda-pro-arismo". Sim, trago não a solução, mas uma alternativa para você tentar se dar bem nesses 3 dias à toa que mais parecem 3 horas, de tão rápido que passam. Vamos, então, às orientações:


Alternativa 1 - Pegue uma virose: assim você vai ter uma desculpa plausível na segunda-feira para as tarefas não cumpridas. Pronto, você está em dia com sua consciência e com o mundo. Ninguém vai te cobrar. E, ao contar sobre a peripécia durante o feriado, você ainda ouvirá muitos "tadinho", o que tranquilizará ainda mais sua consciência, a ponto de você realmente sentir pena de si mesmo e achar que deveria ter ficado mais uns dias em casa para se recuperar 100%. Faça um carão deitado o dia inteiro na cama, espirrando, tossindo, com diarreia e náuseas. Tá bom pra você?

Alternativa 2 - Faça a dança da chuva: quer desculpa melhor para passar o dia inteiro à toa dentro de casa? Nem aquele amigo pentelho-de-feriado te chamando para ir pra praia às 7h da matina vai aparecer. Você permanecerá no aconchego do seu lar, sem nenhum incômodo, e não se sentirá frustrado quando chegar no trabalho, pós-feriado, pois não ouvirá ninguém lhe dizendo: "O FERIADÃO FOI O MÁXIMO NO LITORAL, VOCÊ PERDEU, VACILÃO!". Quer coisa melhor, rapá?



Alternativa 3 - Não programe nada além de dormir o dia todo, todos os dias: só assim é possível ser feliz de fato no feriado. Sem planos, sem programações, sem compromissos, a não ser com sua cama. E você ainda pode alterná-la com o sofá porque ela não fica chateada e nem termina com você por ter sido trocada. EIKE PERFEIÇÃO!



No caso de dúvida sobre o "modo de usar" do feriado, não me procurem, não me mandem recados, não comentem no post. Eu não vou responder. Afnal, é feriado e eu tenho mais o que fazer (trabalhar, claro!). Se N.D.A. der certo, corre pro calendário e já comece a se preparar para o próximo. Eu tentei te ajudar, mas sua vida de loser não contribui, então EU DESISTO!

Beijos, bom feriado e não exagere no chocolate, senão vou ter que voltar aqui apresentando alternativas para os quilos a mais que aparecerão. POR FAVOR!

0 comentários inúteis:

Postar um comentário

Vai, comenta! Não dói nada!