22 de abril de 2012

Ah, a internet!


A internet.
Oh, a internet. Esse belo antro de pornografia e realidades virtuais onde você pode instantaneamente ficar muito rico e famoso e APARECER NO PROGRAMA DA ELIANA.

Sim!
A mais pura verdade é que a internet desmitificou a figura de ídolo, transformando seu ídolo em um carinha que você segue no Twitter e que deixa você saber os horários em que seu intestino resolve funcionar. 

Hoje, qualquer um pode virar um ídolo e qualquer um pode fazer com que algo vire um meme. Você sabe o que é um meme?
Meme não é uma sigla para "Mediocridades Elevadas a Manias Estranhas", mas poderia ser.
Memes são essas coisinhas que alguém resolve falar e outra pessoa resolve imitar e de repente, toda a internet está imitando. Inclusive atores da Globo, apresentadores de jornal e toda a escória da humanidade.

Memes também são essas carinhas mal desenhadas onde as pessoas pegam piadinhas antigas e transformam em tirinhas bestas com personagens que parecem ter sido tirados de um rabisco do meu primo de 4 anos de idade.

Não, isso não é a invasão do submundo. São os memes!
Na internet, todos ganham automaticamente o título de comediantes. Até eu já achei que fosse. Na internet, todos também podem se nomear "analista de mídias sociais". E é isso que eu faço para ganhar dinheiro. Na internet, todos podem ser chamados de "jornalistas", mas isso não é culpa da internet. Todos no mundo sempre são e poderão ser chamados de jornalistas. E adivinhe? É esse o curso que eu faço na faculdade.

QUÉ DIZÊ, eu sou um perfeito exemplo de pseudo-internauta ligado nas tendemsias (sic) e com uma personalidade inteiramente moldada para se adaptar a essa nova sociedade onde se vende rins para comprar iphones. Mas a única diferença é que eu não tenho iphone :(

TODOS CHORA

Viram só?
Isso demonstra exatamente o que eu acabei de dizer.

Um outro defeito dessa atual sociedade onde tudo é feito de forma virtual, é a incapacidade de algumas pessoas reconhecerem um conceito milenar chamado: IRONIA.
E, com uma incrível visão mercadológica, Dr. Leonard Hofstadter nos presenteou com a incrível: placa de sarcasmo.

Placa de sarcasmo: feita para dois tipos de raças, a raça Sheldon Cooper e raça internauta
Acabei de perceber que o início do meu texto não tem absolutamente nenhuma relação com o que escrevi agora e isso é graças à minha dificuldade de concentração. MENTIRA, eu não tenho isso. Mas hoje em dia também tá na moda dizer que tem desordem mental, então, se eu me confundo um pouco e sou um pouco agitada, posso me afirmar como portadora de TDAH (pesquisanogoogle.com). Se eu troco de roupa várias vezes antes de ir pra balada (como se eu tivesse o costume de ir a baladas), posso me afirmar como portadora de Transtorno de Bipolaridade (pesquisanogoogle.com) e se eu torturei e assassinei várias pessoas friamente e não possuo qualquer traço de empatia e solidariedade, sabendo muito bem o que é certo e errado mas escolhendo fazer a segunda coisa por simples incapacidade de pensar em outras pessoas, posso me afirmar como Psicopata. QUE ABSURDO! >.<
XOU PXICOPÁTAAH NAUM MECHI TUMIGUUH
Resumindo: a internet é o que ela é porque vítimas de desilusão com ídolos que cagam começam a rabiscar desenhos estranhos e adquirir transtornos simplesmente para aparecer na televisão.

0 comentários inúteis:

Postar um comentário

Vai, comenta! Não dói nada!