20 de janeiro de 2012

Tecnologia preguiçosa


10 sinais de que a tecnologia te deixa preguiçoso:

 
1.    Você não sabe mais escrever à mão.
2.    As únicas cartas que você recebe são cobranças.
3.    Seu colega de trabalho que senta à sua frente fala com você por MSN/e-mail.
4.    O único tipo de reunião com amigos que você faz é via grupo de Facebook.
5.    Sua mãe te liga do andar de baixo pra avisar que a comida está pronta.
6.    Você escuta música/assiste shows no seu computador.
7.    Você joga videogame no seu computador.
8.    Você faz trabalhos e pesquisas da faculdade no seu computador.
9.    Você nem lembra mais como se joga sinuca, e o som de um bar lotado até te incomoda.
10.    Você não consegue passar 48 horas sem internet sem surtar.

Tecnologia não é lá a pior coisa do mundo, mas tem seus males. Percebi isso quando peguei um papel e uma caneta para escrever um bilhete pro meu marido pedindo que levasse o lixo até as lixeiras do condomínio e não lembrava como se escreviam as palavras. Muito mais simples quando deslizo o dedo e escrevo uma SMS pra ele, e o meu smartphone já preenche a palavra certa sozinho.

A tecnologia domina o mundo. O mundo fica preguiçoso e burro. Logo, tecnologia = preguiça, que por sua vez resulta em burrice. Quanto mais tempo passamos usufruindo das maravilhas tecnológicas, mais preguiçosos e burros ficamos. E isso quando a tecnologia não vira um vício, como descreveu a Dê aqui.

Lembram do Wall-E, a história em que as pessoas viviam no espaço, sentados em cadeiras flutuantes por que estavam muito gordos pra andar? Não olhavam para os lados, não possuíam vida social alguma e estavam sempre conectados em um computador que ficava na frente do seu rosto.

Link do Youtube - Até que ponto nosso futuro está longe disso?

O que se lê nos jornais (on line, claro) hoje em dia é um resumo disso:
  
A falta de bom senso no uso de meios eletrônicos pode roubar as boas experiências da vida real
Você já calculou quanto tempo passa navegando na internet? Tem se preocupado ou fica irritado quando não pode estar conectado? Tem dividido mais seu tempo com o mundo virtual do que com pessoas presentes fisicamente?


Se a resposta for positiva a uma dessas perguntas, você pode ser um dependente tecnológico. De acordo com o Programa de Dependência de Internet do Hospital das Clínicas de São Paulo, esses são sintomas do vício tecnológico.


O problema se manifesta com a incapacidade do indivíduo em administrar o uso e o envolvimento crescente com a internet, o que acaba conduzindo a uma perda progressiva do controle e aumento do desconforto emocional.

Vivemos conectados de tal forma que muitas vezes enxergo como não saudável. Até o fato de eu estar digitando esse post, pesquisando sobre o assunto no Google enquanto escrevo, e você estar aqui acessando o meu blog e lendo o artigo, parece inofensivo. Mas devemos saber a hora certa pra desconectar desse mundo e voltar pra vida real, antes que vire doença e torne o roteiro de Wall-E uma realidade pra nós.

Pratique alguma atividade física (sexo se inclui na categoria) e dedique parte do seu tempo aos relacionamentos pessoais (via Skype não vale). Aproveite melhor seus momentos de lazer... Desconecte-se, abra uma cerveja e relaxe!

E uma coisa bem bacana, não sei se eu já comentei: FAÇA SEXO. É bom pra saúde, pro humor, emagrece e é gostoso! #Fikdik Mas se proteja pra não ter filhos criados via web.

E viva os jovens idosos!

4 comentários inúteis:

  1. bah o primeiro item eu to sofrendo na pele HAHAHHA

    ResponderExcluir
  2. ahhhh companheira, se você não sabe usar a internet não vai adiantar ficar escrevendo esses posts não. nós podemos ficar tçao viciados em internet quanto em televisão ou livros, basta você saber se controlar.

    ResponderExcluir
  3. ahhhh companheira, se você não sabe usar a internet não vai adiantar
    ficar escrevendo esses posts não. nós podemos ficar tçao viciados em
    internet quanto em televisão ou livros, basta você saber se controlar.

    ResponderExcluir
  4. Ah meu querido, vício e controle são coisas opostas. Não tente colocá-los na mesma frase se mal sabe falar português.

    ResponderExcluir

Vai, comenta! Não dói nada!