15 de agosto de 2011

ANALisando...



Muitas são as discussões e análises sobre sexo. Se sexo faz bem ou mal; se engorda, se emagrece; se camisinha incomoda ou não; se sexo oral engravida ou não. Enfim... Há mais polêmicas sobre sexo do que sobre mamilos, isso é um fato. Mas, creio que, depois de a Sandy revelar que gosta de dar ré no quibe, a maior polêmica tem girado em torno do temido, do obscuro, do dolorido, do que não se pode dizer o nome... SEXO ANAL

Sim, a mesma Sandy que disse que 'não abria, não', em entrevista exclusiva para nós no Dia do Orgasmo do ano passado, teve a audácia de declarar, sem papas na língua (e pregas no cu), que “é possível (SIIIIIIIIM!!! OH YEEEAAAAAH!!!!) ter prazer anal”.

Se a santinha-do-pau-oco diz que sim, quem é você pra dizer que não?!

Sandy com carinha de quem tá gostando demais!

Bem, quem é você eu não sei, mas sei que tem gente que não curtiu muito a confissão da Miss “eu cresci, agora sou mulher”. E eu, como ótima jornalista (what?) que sou, resolvi fazer uma pesquisa de campo para saber o que as mulheres (pelo menos elas me prometeram que eram) acham dessa prática tão pouco aprofundada pela maioria de nós.

Enfim... Não sou Orkut, mas vamos aos depoimentos:


Traseira -selada 1: “Quando me perguntam se eu gosto ou não de sexo anal, eu fico na dúvida do que responder. Se eu disser que não, mas que sou alguém que vive tomando no cu, o que devo falar? Na real, inventaram de tudo e mais um pouco pro sexo. Mil e uma e mais de outras posições, não é? Você pode fazer aquela posição da girafa invertida e aberta, mas não pode fazer sexo anal porque... dói. Pra outras pessoas, sexo anal é a mesma coisa que tatuagem, daí elas dizem ‘Eu não gosto de fazer porque não gosto mesmo. E não é nem por causa da dor, é porque... é porque... eu nunca fiz’. Cada um tem um cu e uma opinião diferente, né mesmo? Eu, por exemplo: não gosto de fazer. Não curto, aquilo ali não é algo que eu vá realmente gostar. Até porque me traumatizei da primeira vez que ‘tentei’ fazer. Cada um tem um cu, uma opinião e um trauma diferente, né mesmo? Se você ainda não fez e está na dúvida se deve fazer ou não, lembre que a Sue Johanson deve ter mais de 120 anos, sabe muito bem falar do assunto e ainda tem o rabo no lugar. Então, querida, abra sua porta para a felicidade. Se você... quiser... ser feliz dessa maneira. Cada um tem um cu, uma opinião, um trauma e uma felicidade diferente, né mesmo?”

Cacete, o selo que essa tem no cu falta ter na boca – ou no dedo – porque, porran, fala pra c#r@lh*, hein!!! Mas, ok, vamos ao próximo depoimento...

Traseira-selada 2: Eu nunca darei o cu. Sinceramente? Macaco velho não põe a mão na cumbuca, e no meu rabo ninguém põe porra nenhuma. Literalmente. Na verdade, nem tenho preconceito contra quem dá, mas é uma questão de escolha pessoal mesmo.”

Hum, interessante a analogia... Próxima!

Entrada-liberada 1: Se eu já dei o cu? Já. Dei e dou se tiver vontade no meio do ato. Sempre falo para eles que eles foram os primeiros a ter tal “privilégio” e eles sempre acreditam. Eles ficam loucos! Hahahahaha. Faço isso porque sou uma filha da puta mesmo, né? Acho que eu devia tomar no cu. Ou não.”

É a Sandy fazendo escola... Vamos aos próximos argumentos!

Entrada-liberada-estrategicamente 1:Anal é especial. Já usei três vezes para prender o meu namorado. Quando ele pensa em terminar, tcharannn, e ele volta. Eu até gosto, mas prefiro usar isso como uma recompensa pro meu namorado. Mas não pode dar muita liberdade, né... Ou ele vai querer toda hora."

É, minha gente... E quando a gente acha que já viu de tudo nessa vida, aparece aí o sexo anal como moeda de troca. Depois desses breves relatos, vocês que estavam em dúvida devem estar se perguntando: “e agora? Estou mais indecisa do que antes!”.

Bom, após pesquisar bastante, meu conselho é: FAZ O QUE VOCÊ QUISER, A VIDA É TUA, AS PREGAS TAMBÉM, SÓ NÃO VENHA DEPOIS DE MIMIMI, PORRA!

E é com essa sutileza que eu me despeço de vocês. Se você já liberou ou nunca liberará na vida, comente aqui embaixo, argumente, participe, deixe o texto tocar em você (eu disse O TEXTO, pode ficar tranquila!!!).

Obs: agradecimentos enoooormes às contribuições especiais de @Deeercy, @MarielleZumBach, @MayMR e @Seyfriediana. Só lamento informar, amigas, que agradecimento não é vibrador. :(

1 comentários inúteis:

  1. huashausha... Carol, vc não tem juizo mesmo!
    Muito esclarecedor, esse seu texto deveras informativo!

    ResponderExcluir

Vai, comenta! Não dói nada!