12 de março de 2011

Dia de Visita - Kenny Lopes


O Antiquado "Humor do Mal"

“Se você tem medo de ofender alguém está na profissão errada” 
Trecho do livro Notas de Um Comediante Stand Up de Leo Lins.


Desde os tempos em que o câncer do José Alencar era apenas um leve resfriado, já debatiam que tipo de piadas podem ou não ser feitas para que não sejamos considerados insensíveis, desagraváveis, ofensivos, preconceituosos, ou simplesmente uns escrotos de merda.

No ano passado ouviu-se da boca de Marcos Mion sobre o tal "Humor do Bem": humor que não ri das pessoas, mas com as pessoas e tem como característica marcante não ser engraçado. Ele adotou um estilo “Malandro Benevolente” e começou o programa Legendários. No quadro do grupo Banana Mecânica nós vemos uma zoação enorme com o estereótipos paulistano, carioca, gaúcho, nordestinos, pobres, gordos, vegetarianos, americanos, gays, policiais, seguranças de supermercado e humanos. Fazer um cearense com a cabeça gigantesca e o chapeuzinho de cangaço seria uma piada tão “preconceituosa” quanto, digamos, um mapa da América do Sul dividido ironicamente por estereótipos de cada região (nota da redação: já fizemos isso aqui). Mas no caso do cearense da TV as pessoas riem porque são burras facilmente dobradas com algo um tiquinho mais muquiado.

Mas afinal, o que é ou não ofensivo?
É considerado preconceito fazer piada dizendo que o Acre não existe. (O que prova como as pessoas são chatas e se metem no que não é da própria conta, pois nunca um acriano reclamaria dessa piada... Eles não existem também). Porém na TV, nas rodinhas de amigos, em shows de humor é liberado eu virar pra uma mocinha com uns quilinhos a mais e chamá-la de Geisy Arruda antes da plástica. Coisa que para uma pessoa com complexo de peso, como eu, é motivo o suficiente para tomar um cocktail de comigo-ninguém-pode em cima de um banquinho bambo com uma corda no pescoço.
Na nossa sociedade patriarcal piadas de cunho homossexuais são super bem vindas, por outro lado eu só posso falar de negro em meu texto se for pra dizer que ele tem o pau maior do que o meu.
Em uma entrevista, o humorista Fábio Rabin cita que no Stand Up adotaram uma espécie de regra: “Não contarás piadas preconceituosas que não façam parte das suas características.”. Aí eu encontro uma leve hipocrisia: Se contasse uma piada sobre negros, o humorista branco seria considerado um merda e seria conhecido por todo o Brasil como Hitler. Porém as mesmas pessoas que disseram que todo aquele conteúdo é preconceituoso são as que estarão rolando de rir desse mesmo conteúdo no show do humorista negro.

“Alguém pode me dar uma explicação razoável por que posso chamar gay de veado, gordo de baleia, branco de lagartixa, mas nunca um negro de macaco?”
    - Danilo Gentili -

Sendo assim, por mais que eu fuja do tema raça, religião, orientação sexual, cidadania, eu AINDA vou ofender alguém. Se eu falar de Duplas Sertenejas, estarei ofendendo vários cidadãos que já tiveram o desprazer de serem corneados pela esposa. Se eu falar do filme Crepúsculo uma menina de 13 anos pode fazer um vídeo assustador me xingando aos gritos. Se eu falar da minha mãe eu posso ofender meu pai, ou a cafetina dela. E se eu falar só de mim eu vou ofender minha mãe que me ama tanto. (Juro! Ela gosta de mim...Eu sei que gosta!)



E agora? Como fazer humor?
E é aqui que eu deveria entrar com a resposta, mas sinceramente eu não sei. Até porque se soubesse eu seria rico e famoso e não teria que pagar cerveja para as meninas do TPM para postarem meu texto. Mas posso tentar dar algumas idéias como expectador de humor para não passarmos tanto nervoso e não sermos tão insuportáveis, metidos a Capitão Correto.

1 – Transar mais e tentar ser uma pessoa menos amargurada.
E esse conselho não é só pra você leitor, eu diria que é principalmente para mim. e para a Alice Umbrella

2 – Não leve tudo tão a sério.
Eu tenho um problema sério com meu peso, brigo com a balança desde cedo e até hoje não ganhei da desgraçada. Mas eu consigo ver o lado engraçado de coisas que acontecem no cotidiano de uma pessoa gorda. Se você está assistindo um sketch humorístico, um show de jogos de Improviso, Stand Up ou programa de TV de humor esteja disposto a não levar as coisas a sério e rir! Você está em um momento de lazer, não em um comício na USP organizado pela juventude do PSTU.  

3 – Não seja preconceituoso.
Não queira ser o protetor dos fracos e oprimidos. Não tente transformar um humorista em um monstro, nem a piada em skinhead, nem o conteúdo alvo da piada em algo frágil que deve ser protegido como o Último Pássaro Galvão. (Ficou claro essa metáfora?)


Eu acho que o humor em si já é do bem se as pessoas tiverem um pouco de bom senso e senso de humor. Vamos pelo menos tentar censurar menos, amar mais e se divertir mais ainda... Não custa tentar, certo?







Kenny Lopes
Radialista, Roteirista, Geek, Cervejeiro,
Improvisador Frustrado e Comediante Stand Up

15 comentários inúteis:

  1. Muito bem escrito... nada melhor que um gordo maldito pra escrever sobre preconceito e outro pra comentar ! Gosto muito do seu potencial Kenny, vai chegar bem longe...torço muito por vc, e parabéns a mulherada do tpm semanal, blog muito construtivo!

    ResponderExcluir
  2. Não gostei da parte que fala de mim.
    HSAUHSA brinks, tá mto bom o texto.

    ResponderExcluir
  3. Tá, não preciso dizer mais nada, tirando o fato de que é engraçado que Kenny, um ser que veio das trevas dizendo "Ame mais"

    ResponderExcluir
  4. Bôôuuua garoto!! Muito bom Kenny! E para de ser bicha e volte pras aulas de iprovisação. Abs

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. hehe...tá certinho!Não gosto de ser "aloprada" pelos meus defeitos físicos, mas gosto de rir dos outros!!Acho que depende de como é feito e de quando é feito...Mas uma coisa é fato, se você vai à um show de comédia, improviso e etc tem que ir desarmado...tá na chuva, é pra se molhar!

    ResponderExcluir
  7. Muito bom mesmo. Faz todo o sentido.
    Mas tenho q dizer q c/ duas pessoas eu não rio qdo contam piadas a respeito delas: ''Deus'' e ''Jesus Cristo''.

    De resto, procuro levar na brincadeira. ;)

    ResponderExcluir
  8. Realmente, Lina, não dá pra fazer piada com gente que não existe.



    ALICE CAUSANDO CAOS EM 3... 2... 1...


    UHAHUSAHUASHUSAHUHSAU
    parei.

    ResponderExcluir
  9. Deus fez uma moça virgem ficar grávida, imagina a fofoca entre os vizinhos e a cara do marido dela quando ouviu "Nah...isso aqui é filho de deus!"
    Que mais senso de humor e traquinagem que isso?

    ResponderExcluir
  10. Kenny arrasando! Fdp da minha vida! Orgulho desse moleque zica!!!!!!!!! hahahahahahahahaha
    e pode sacanear a vontade esse Deus idealizado por ignorantes que não sabem ler um livro que, diga-se de passagem, foi escrito por homens!... pq esse não existe mesmo!
    e zuar as redatoras é tendência (quando não sou eu, lógico! hehe)
    arrasou mano, parabens!!!

    ResponderExcluir
  11. Você é brilhante Kenny. Simplesmente :)
    Parabéns.

    ResponderExcluir
  12. Mandou muito bem!
    O Texto está fodástico... e as meninas do tpm arrasam até nos comentários né?! rs

    Eu já fui contra certos tipos de piadas, mas hoje aprendi a achar mais graça da vida (Lê-se: estou transando mais e tentando ser uma pessoa menos amargurada.)

    Enfim, defeitos e complexos todo mundo tem... saber conviver com eles e ainda saber rir deles é que te torna uma pessoa melhor!

    Abaixo a hipocrisia! Rir ainda é o melhor remédio!

    Beijoo

    ResponderExcluir

Vai, comenta! Não dói nada!