15 de janeiro de 2011

Dia de Visita - Karina Santiago


Sinceridade... só se for lá na casa do vizinho.


Todo mundo diz que quer, todo mundo diz que tem, mas no final, sinceridade é sempre vista como uma coisa negativa.
Dia desses, fui ao mercado e enquanto passava minhas compras no caixa rápido, uma senhora perguntou pra caixa ao lado: “Estou com alguns itens a mais, posso passar mesmo assim?” Coincidentemente o gerente se encontrava entre os dois caixas e respondeu que sim. Foi então que para o meu espanto e diversão, a caixa em que eu me encontrava disse em alto e bom som: “Se está escrito: no máximo 10 itens, é porque só pode passar 10 itens. Resolvi que agora vou falar tudo que penso”.
Comecei a rir e continuei a embalar minhas compras. Ao tirar umas coisas de uma sacola e passar pra outra, pra levar menos saco plástico pra casa, ela disse: “É bom mesmo! O mundo já está muito poluído pra ficarmos desperdiçando saco plástico.” Pra fechar com chave de ouro, quando pedi que ela jogasse no lixo meu comprovante de compra, ela respondeu: “Não! Leve pra sua casa e recicle seu lixo, porque se eu jogar aqui, ele não será reciclado.” O gerente ficou lá chocado, olhando a cena e eu saí rindo e achando-a uma heroína. Não sei o que aconteceu com a funcionária do mercado, mas se a conseqüência seguiu a linha do que acontece com quem é sincero, ela no mínimo foi repreendida.
A sinceridade está fora de moda. É encarada como feia, deselegante, sabotadora e até mesmo preconceituosa. É a tia velha solteirona que todo mundo finge que quer ter por perto, mas quanto mais longe, melhor. Desde criança se ensina que ser sincero é falta de educação. Quem aí já não viu algum pai desconcertado e brigando com o filho, quando ele na sua inocência infantil, falou alguma verdade, nua e crua? “Juninho, meu filho, não pode falar que a titia tem bigode que nem o papai, isso é feio”. Feia é a tia que não arranca aquele bigode maldito, isso sim. E assim, crescemos todos com o falso conceito de que queremos sinceridade, quando na verdade, o que queremos é uma bela mentira que bajule o ego ou nos tire rapidamente de qualquer situação embaraçosa.
Se você é homem, vai se identificar com essa situação: A namorada, acima do peso (gorda mesmo), pergunta se está gorda ou se a roupa esdrúxula que está vestindo está bonita. No segundo caso, até que se pode ser “levemente” sincero, mas no primeiro caso... Ai ai ai do pobre homem que hesitar um segundo sequer pra dar a resposta padrão: Claro que não! (com a variação “Claro que não, você está sempre linda, meu amor"). Estará ele então condenado a uma crise no relacionamento, com direito a DR e a afirmações histéricas de “você não me ama mais”, seguidas de uma noite de emburramento e broncas por qualquer mulher gostosa que cruze o caminho do casal (mesmo que o pobre não desvie o olhar um minuto). Ah meu caro, você entrará numa zona de guerra, cujo campo minado te fará ir pelos ares a qualquer passo errado.
Em contrapartida as mulheres passam pelo mesmo problema, mas aí é antes... na prévia da relação. A regra básica é: Não deixe o cara perceber que você está muito interessada, ou o resíduo de DNA de homem das cavernas, caçador, fará com que ele se entedie e desista da possível relação, mesmo que a fêmea em questão, seja a mais incrível das mulheres. Não adianta negar, é assim que funciona. Se não se fizer de difícil, seu conceito vai pelo ralo e você passa de “mulher interessante” para “mulher comum”, em um segundo. Ouse dizer para um homem que você gosta dele, que o acha bacana e que gostaria de ter sua companhia, e então você será mandada para o limbo e se fosse possível, ele pediria uma ordem judicial em que a doida (também conhecida como mulher que revela suas vontades) não pudesse chegar a menos de 500 metros.
No trabalho, tudo segue o mesmo padrão. Elogie um colega ou o chefe e será bem visto. Critique algo ruim que um dos dois fez e será o invejoso ou o sabotador (ou ambos). E ainda tem a sinceridade seletiva de acordo com a classe social, credo ou raça. Se um rico faz um projeto ruim, você pode dizer que foi ruim, mas se um pobre fizer o mesmo, será então um sem coração que não dá oportunidade ao próximo. Critique alguma coisa de qualquer minoria, que por mais que o alvo seja um porcaria mesmo, você será preconceituoso. Aliás, palavra muito mal utilizada ultimamente, já que preconceito trata-se de um conceito prévio, sem conhecimento. Mas depois que você conheceu, não é preconceito mais, é conceito bem embasado, mesmo.
Então sejamos sinceros uma vez na vida e vamos admitir que sinceridade não faz a grande maioria feliz. Pra ser bem sincera, eu prefiro que não fiquem falando na minha cara o tempo todo como sou ranzinza, como ando com o cabelo desgrenhado e que esse tom de vermelho não combina com minha pele. E como diz aquele velho ditado: Quem fala o que não deve, ouve o que não quer. Aliás, acho que quem criou esse ditado queria dizer: Quem fala com sinceridade, ouve o que não quer. Só que aí o escritor pensou bem e viu que ser sincero ia dar problema.







Karina Santiago
Produtora Musical, fotógrafa e artista plástica


9 comentários inúteis:

  1. sei bem como é isso. até hj sou reeprendida por amigos (ou a minha irmã) qdo falo uma verdade, e acabo, sem querer, ofendendo de certa forma a pessoa pra quem eu disse.
    porra, todo mundo diz q gosta d gente sincera, mas nmg nunca é! esse povo é realmente mto estranho... =B

    ResponderExcluir
  2. SInceridade é um assunto delicado...

    "Querido, voce acha que eu estou ficando gordinha"

    .... complicado :)

    ResponderExcluir
  3. Existem algumas formas de "mascarar" sinceridade de um jeito que não seja confundida com deselegãncia, o difícil é entender porquê...
    Show de post.

    ResponderExcluir
  4. Esse texto tá realmente SENSACIONAL, um dos melhores que já recebemos! Parabéns, Karina!
    ;)

    ResponderExcluir
  5. Muito obrigada pelos comentários e muuuuuuito obrigada Alice pelo convite. Gostei muito mesmo de ter postado no TPM. Foi uma honra pra mim, sinceramente.

    :)

    ResponderExcluir
  6. Olha pra ser sincera eu vi que esse post era muito grande e juro que me deu a maior preguiça de ler, mas ai eu vi o comentario da Alice e sabe como é a opniao conta muito. resolvi ler e gostei, acho que a sinceridade por ser o caminho pra uma terceira guerra mundial, ta nem tanto....mas que isso da uma confusão, bjos

    ResponderExcluir
  7. Ah, mas eu convivo com sinceridade aqui em casa com a minha avó...
    Uma vez recebi um "tenho certeza de que ninguém quer dançar contigo nas festas, olha como tu tá gorda!"
    isso sem falar de quando ela me disse que, assim que eu casasse, não ia mais aguentar a criatura e que, se nao quisesse filhos, meu marido os teria com outra
    Talvez alguém esteja confundindo sinceridade com inconveniencia xD

    ResponderExcluir

Vai, comenta! Não dói nada!