7 de janeiro de 2011

Chegou o verão!



E com ele também chegam os pedágios, os congestionamentos na estrada, os bichos geográficos no pé e a empregada cobrando hora-extra.
Verão também é sinônimo de pouca roupa e muito chifre, pouca cintura e muita gordura, pouco trabalho e muita micose. Verão é picolé de Ki-suco no palito reciclado, é milho cozido na água da torneira, é coco verde aberto pra comer a gosminha branca. Verão é prisão de ventre de uma semana e pé inchado que não entra no tênis. Mas o principal, o ponto alto do verão é... a praia!


Ah, como é bela a praia!
Os cachorros fazem cocô e as crianças pegam pra fazer coleção. Os casais jogam frescobol e acertam a bolinha na cabeça das véias. Os jovens de jet ski atropelam os surfistas, que por sua vez, miram a prancha pra abrir a cabeça dos banhistas.

O verão é Brasil, é selva, é carnaval, é tribo de índio canibal. 
Todo mundo nu de pele vermelha. As mulheres de tanga, os homens de calção tão justo que dá até pra ver o veneno da flecha, e todo mundo se comendo cru.

O melhor programa pra quem vai à praia é chegar bem cedo, antes do sorveteiro, quando o sol ainda está fraco e as famílias estão chegando. É muito bonito ver aquelas pessoas carregando vinte cadeiras, três geladeiras de isopor, cinco guarda-sóis, raquete, frango, farofa, toalha, bola, balde, chapéu e prancha, acreditando que estão de férias.
Em menos de cinqüenta minutos, todos já estão instalados, besuntados e prontos pra enterrar a avó na areia.


E as crianças? Ah, que gracinha! Os bebês chorando de desidratação, as crianças pequenas se socando por uma conchinha do mar, os adolescentes ouvindo walkman enquanto dormem.

"Não pule ou brinque no ou ao redor do cano" - FAIL

As mulheres também têm muita diversão na praia, como buscar o filho afogado e caminhar vinte quilômetros pra encontrar o outro pé do chinelo. Já os homens ficam com as tarefas mais chatas, como perfurar um poço pra fincar o cabo do guarda-sol. É mais fácil achar petróleo do que conseguir fazer o guarda-sol ficar em pé.

Mas tudo isso não conta, diante da alegria, da felicidade, da maravilha que é entrar no mar! Aquela água tão cristalina, que dá pra ver os cardumes de latinha de cerveja no fundo. Aquela sensação de boiar na salmoura como um pepino em conserva. Depois de um belo banho de mar, com o rego cheio de sal e a periquita cheia de areia, vem aquela vontade de fritar na chapa.


A gente abre a esteira velha, com cheiro de velório de bode, bota o chapéu, os óculos escuros e puxa um ronco bacaninha. Isso é paz, isso é amor, isso é o absurdo do calor. 
Mas, claro, tudo tem seu lado bom. E à noite o sol vai embora. Todo mundo volta pra casa, toma banho e deixa o sabonete cheio de areia pro próximo. O xampu acaba e a gente acaba lavando a cabeça com qualquer coisa, desde o creme de barbear até desinfetante de privada. As toalhas, com aquele cheirinho de mofo que só a casa de praia oferece. Aí, uma bela macarronada pra entupir o bucho e uma dormidinha na rede pra adquirir um bom torcicolo.

O dia termina com uma boa rodada de tranca e uma briga em família. Todo mundo vai dormir bêbado e emburrado, babando na fronha e torcendo pra que na manhã seguinte faça aquele sol e todo mundo possa se encontrar no mesmo inferno tropical.
The summer is tragic!







TEXTO PUBLICADO NO PRIMEIRO NÚMERO  DA REVISTA "JOVEM PAN", ESCRITO POR ROSANA HERMANN e gentilmente imortalizado por Reinaldo, nesta página da Web:

PS: Este texto tem sido copiado na web e atribuído ao genial Luis Fernando Veríssimo, erroneamente.

11 comentários inúteis:

  1. Realmente é muiiito trágico kkk' eu rí demais!!

    ResponderExcluir
  2. Acho eu que tu não é muito chegada no verão. haha
    beijo.

    ResponderExcluir
  3. Nossaa... Seria realmente cômico se não fosse trágico kkkkkkk
    Muito bom... vcs sempre me alegram na minha TPM

    ResponderExcluir
  4. Sabonete com areia é o esfoliante do pobre. Faz bem pra cútis.

    http://oblogdareclamacao.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Retrato tão fiel da realidade do

    "Ow brow, minha mãe tem um ap na PG! Já que você não tem o que fazer, quer passar a virada lá com minha mãe, meus 3 tios meus 4 primos e minha irmã? Lugar pra dormir?! Ahhh a gente se vira..."

    ...que consegui sentir o calor no meu rosto o calor da areia queimando cada célula da minha plana do pé e ouvir ao longe um homem gritando "Olha o queijinho gostoso! Queijo no palito"

    ResponderExcluir
  6. eu ri muito!!
    realmente, como é q a galera pode gostar tanto dissow eu amo praia, mas não assim, né? o esquema é ir fora d temporada. exatamente qdo tb não tem + aqueles programas culturais oferecidos pelas prefeituras, e só restam os nativos da cidade olhando pra vc com cara de "esse vai ser pego pelo arastão"

    =P

    ResponderExcluir
  7. kkkk Muito bom!
    Eu odeio verão, acho o calor muito incômodo, fica tudo lotado, é um inferno mesmo! Definitivamente nasci no lugar errado rs

    Abraços!

    http://vivereler.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  8. Será que ela gosta de praia?! hahaha

    P.S.: Rede não faz com que a pessoa fique com torcicolo.. só se for um azarado mesmo, rs.

    ResponderExcluir
  9. HAHAHA muito bom o texto

    fim de semana passado um cachorro cagou do meu lado.
    sei la, achei que vocês deveriam saber disso.

    ResponderExcluir
  10. Eu entendo muito bem o seu ponto de vista (exceto pela parte da 'periquita cheia de areia' HAHAHAHAHA)
    Me dá coceiras só de imaginar a cena enquanto leio o texto!

    ResponderExcluir
  11. Esqueceram de comentar 1 coisa ... aquele momento bom la , se torrando no sol , quando derrepente vem um pirralho e joga quilos de areia em vove e entao .. Tcharaa vc vira um croquete (mistura de protetor com areia) DLÇ ~~

    ResponderExcluir

Vai, comenta! Não dói nada!