11 de janeiro de 2011

Cereal Killers 2 (made in Brazíu)




Como meu último texto sobre Serial Killers foi aprovado por vocês, leitores lunáticos e sedentos por sangue, decidi fazer a parte 2, sobre os grandes psicopatas nacionais. Como toda “importação” brasileira, é bem provável que o segundo texto fique uma bosta! (... e essa foi a desculpa mais esfarradapa que consegui inventar no momento.)

Mas vamos ao que interessa...

Maníaco do Parque.
Para quem não conhece, Francisco de Assis Pereira, foi um “assassino em série” que atacava somente mulheres no Parque do Estado, na cidade de São Paulo, por volta de 1998. Ironia ou não, ele ter o mesmo nome do santo padroeiro da minha cidade, achei interessante comentar. Confesso que, na época, eu achava o máximo a denominação de ‘maníaco’, mais legal ainda era ele trabalhar num parque de diversões. UAU! (fail!)


Como todo assassino que se preze, esse teve a infância mais traumática que a Cláudia do “aham, senta lá”; com direito a abuso sexual por parte da tia, mais tarde, uma relação homossexual forçada com seu patrão, e uma “castração oral” que uma gótica teria realizado. (Por favor, não me façam explicar! Não que eu saiba, mas..). Relacionou-se com um travesti, foi um grande atacante, entrou para o Corinthians após ganhar muitos quilos e... Peraí, to confundindo as histórias! (...) Recapitulando: relacionou-se com um travesti durante alguns anos e desenvolveu uma fixação por seios. (tipicamente brasileiro. Hunf!). Enfim, foda-se esse trouxa. Vamos ao próximo...

José Ramos. O açougueiro de Porto Alegre. Espero que tenham almoçado bem, pois esse caso dá fome! Por cerca de 1863, José Ramos viajava o Brasil, vendendo lingüiças, dedicadamente preparadas com uma deliciosa carne humana, de primeiríssima! Achou nojento? Nojento é comer carne de PORCO! Mano, os caras torcem pro Palmeiras!...
Enfim, plagiando o Mc Donalds, nosso amigo aí foi considerado o primeiro Serial Killer brasileiro de que se tem registro. (antes de Castello Branco, Artur da Costa...). Ok, sem palhaçada, apesar de José Ramos ter sido considerado o primeiro assassino em série, oficialmente, podemos dizer que o primeiro mesmo foi...


Preto Amaral. Também conhecido como “monstro negro”, estrangulador de crianças e “diabo verde”... NÃO. Quer dizer... “diabo preto”; José Augusto do Amaral foi liberto pela Lei Áurea aos 17 anos.
Sua primeira vítima foi assassinada após um jogo de futebol que teriam assistido juntos. (Não envolverei o Corinthians nessa!) A segunda vítima foi uma criança de 10 anos que teria sido persuadida pelos balões que José Augusto vendia. (síndrome de Pennywise).
Enfim, entre outros tantos estrangulamentos e estupros, Preto Amaral foi levado a um psiquiatra, que analisou-o pelo tamanho de seu pênis. Na época os quadros psicóticos estavam relacionados ao tamanho do membro.
Moral da história: antes um namorado ‘caneta-bic’ na mão do que minhas vísceras voando.

O Vampiro de Niterói. Mais criativo que os primeiros, Marcelo Costa de Andrade atraía suas vítimas, que tinham entre 6 e 13 anos, para áreas desertas onde estuprava, estrangulava, bebia o sangue e guardava para usar mais tarde... – Oi? (...) É, isso mesmo! O Necrófilhodaputa aí brincava com suas bonecas até que essas entrassem em estado de decomposição, como a Vera Fisher. Agora a parte mais bizarra: foi ABSOLVIDO pela justiça brasileira por apresentar DESORDEM MENTAL!!!.... DE-SOR-DEM mental.... desordem eu tenho e não saio por aí enfiando meu pinto em qualquer buraco!... não que eu tenha pinto! Eu não disse isso... TÁ, vamos passar pra próxima...

O Maníaco do Trianon. Fortunato Botton Neto era homossexual e se prostituía. Até aí super normal. Estrangulou 13 de seus clientes e, reza a lenda que, além de facas e chave de fenda, Fortunato arranjou uma maneira de acabar com o tédio amarrando suas vítimas e pisoteando o peito e o abdômen até que os órgãos saíssem pela boca, nariz e ânus. (...) Imaginou? Tá quase vomitando? Pois é, e você aí com nojo de barata hein!...
Esse foi condenado por apenas 3 mortes, mas acabou morrendo por uma broncopneumonia decorrente da AIDS. Taí o lado positivo do Hiv positivo!

Agora, um grand finale, com luz neon e fogos de artifício. Ok, a luz não é exatamente neon!...

Bandido da Luz Vermelha.
João Acácio ficou órfão com quatro anos de idade, dali por diante, sua vida no crime se iniciou. Enquanto uns viram assassinos famosos outros escrevem blogs de humor. (...) Antes de continuar, uma pergunta... Só eu achei estranho estar escrevendo sobre um criminoso de quatro anos?
Fugiu para São Paulo, mas não era nordesti... AH é, vocês são moralistas, não posso brincar com isso! E costumava cometer seus crimes em mansões, cortando a energia da casa durante a madrugada, escondendo o rosto com um lenço e usando uma lanterna vermelha; o que acabou fazendo com que a Imprensa o apelidasse como “o Bandido da Luz Vermelha”, fazendo uma alusão à Caryl Chessman, o Bandido da Luz Vermelha estadunidense (que também tem uma história interessantíssima). Aí EU que estou errada quando digo que brasileiro copia tudo.



Eu poderia falar de vários outros criminosos brasileiros mais filhos da puta que nossos deputados, no nível destes já citados, como Chico Picadinho, Pedrinho Matador, o cantor Belo; mas a verdade é que o texto está muito grande e eu já cansei de escrever. Estou de férias, na praia e vocês aí, lendo as merdas que eu escrevo! Aguardo ansiosamente suas críticas positivas ou conhecerão em breve a mais nova psicopata brasileira...

9 comentários inúteis:

  1. José Ramos. O açougueiro de Porto Alegre. TRI MEU AMIGO. shausahasuhaushau

    ResponderExcluir
  2. auhauahuah!!
    eu tb achava q era maniaco do parque pq ele era tipo, viciado em parque d diversão. mas não tipo playcenter. parque d quermesse, sabe? ahahuahauha
    só achei a história do cara da luz vermelha meio estranha. não deu pra entrender direito qual a historia dele. mas enfim...

    pra quem ta na praia, passou mto tempo na net pesquisando esses caras bizarros.

    ResponderExcluir
  3. Eu sempre me intriguei com essas histórias de serial killers, uma vez vi uma entrevista da Illana casoy afirmando que o bandido da luz vermelha é um cara ótimo de papo e que durante a entrevista que ela fez com ele para um livro que escreveu até esqueceu que ele era assassino...e o assassino da mala???Uma vez vi a mala em uma exposição sobre assassinos do Brasil...medo...

    ResponderExcluir
  4. Malu Fera Radical Paixão,

    quando enquadraram São Francisco, digo, Padre Pe. Dhóphylo, não não, o tal Chico de Assis mas não da Umbria, eu trabalhava na FIOCRUZ, onde o ascensorista do prédio velho me veio com esta:

    - Sabia, prenderam o Maníaco do Parque, e deram leite envenenado pro cara!

    - É bom, livra o Estado da despeza.

    - Mas ele não morreu.

    - Porra, vaso ruim não quebra mesmo...

    - Era leite longa vida.

    =D
    Marcos

    ResponderExcluir
  5. A Sonia Abrão patrocina esse pessoal todo.

    ResponderExcluir
  6. tah aiiii uma boa moral da historia
    antes um namorado ‘caneta-bic’ na mão do que minhas vísceras voando.

    ResponderExcluir
  7. Oi agora é 13:15 aproveitei meu horário de almoço para prestigiar esse post. So tenho a dizer que estou com ansia de vomito e estou prestes a por pra fora o frango, as batatas e o suco de uva que tomei. Emfim achei super interessante esse negocio da Malu falar dos amigos e entes queridos. hsuahsuaush. E pra nao ficar famosa eu vou procurar nao chamar sua atenção e acabar num post desse como maniaca, oi?! Bjo Malu adorei!

    ResponderExcluir
  8. Não fiquei com nojo do post, mas sim com vontade de cometer assssinatos.

    Nunca contei, mas tenho mente de Serial Killers \o/

    ResponderExcluir
  9. Maluu.. que delicia de post.. inspirador, super verão! ainda mais a parte das víceras saindo pelo anus da pessoa!!
    mas agora confessando: tenho um fraco por histórias de serial killers... se quiser, minha coleção de dois livros sobre o assunto está à disposilção: a enciplopédia dos Serial Killers e Caçada ao Maníaco do Parque!

    Saudades de passar por aqui!!
    beijos!

    @ohmiiilla

    ResponderExcluir

Vai, comenta! Não dói nada!