11 de dezembro de 2010

Dia de Visita - Ricardo Pipo


Nossa sessão de convidados agora se chama Dia de Visita! E o que temos hoje pra vocês? Papos Abstratos do nosso digníssimo Ricardo Pipo. Acompanhe:




Em 2011 pretendemos excursionar com nosso espetáculo Sexo - A Comédia. Até hoje não o fizemos, acredite, pela dificuldade em conseguir patrocínio por causa do título da peça. O pessoal do marketing das grandes empresas assiste, dá boas risadas, diz que é o espetáculo mais engraçado que já viu, mas não tem coragem de chegar pro chefe e propor bancar a orgia. O Brasil é cheio de incongruências, né? Cenas de lesbianismo na novela das oito pode, mas, uma empresa associar seu nome à uma obra chamada Sexo, ainda que comédia, é inadimissível. Isso sem falar que as bancas de jornais de todos os bairros estão repletas de revistas e vídeos que transformariam Calígula em algo tão assexuado quanto Marina Silva. Mas, Sexo, não pode. É palavra feia.
Descobri outro dia que o espetáculo Monólogos da Vagina passa pelos mesmos problemas relacionados ao título. E olha que Vagina é um termo científico, como, por exemplo, omoplata. Mas vagina também não pode, mesmo sendo item obrigatório em (quase) todas as mulheres do mundo e até em alguns homens. Hoje você pode inclusive entrar em uma Sex Shop de qualquer cidade do Brasil e comprar uma vagina sem precisar levar a mulher junto. O único ponto negativo é que VOCÊ vai forrar a cama no dia seguinte. Mas, divulgar um espetáculo teatral com a palavra vagina em um outdoor, nem pensar. Deus me livre dessa palavra exposta assim como se fosse propaganda de lingerie. Mas espere, propaganda de lingerie tem foto de vagina no outdoor. Foto pode, o nome da coisa, não? Ê, Brasil.
Outro constrangimento causado pelo nome da peça Sexo, são as conversas em público. Imagine uma reunião de duzentos anos - cinco homens com quarenta cada - falando de negócios. Nossos negócios. Por diversas vezes nos esquecemos de onde estamos e engatamos um diálogo em voz alta no restaurante lotado: "Nós já fizemos Sexo em São Paulo, no Rio de Janeiro, em Goiânia... Em Recife, já fizemos Sexo, ou só Futebol? Precisamos fazer sexo em Recife, as pessoas de lá pedem bastante. Daí já emendamos e fazemos Sexo nas cidades mais próximas também. Sexo no Nordeste vai ser muito bom, não tenho dúvida." E a conversa prossegue até ouvirmos a jarra de suco da mesa ao lado caindo ao chão.
Isso acontece também, quando, eventualmente, falamos de maquiagem. Um comentário em um elevador que o "pancake Elke não tira o brilho da pele tão bem quanto o da Payot", ou que, "lápis de olho tem que ser cremoso na medida certa, porque na pressa de trocar de roupa, pode borrar tudo e estragar a produção", congelam o mundo. Assuntos assim, debatidos com autoridade por cinco homens barbados, provocam o mais constrangedor silêncio até chegarmos ao térreo. Nem respiração das outras pessoas se escuta. E quando percebemos o que estamos dizendo, geralmente é tarde demais. Melhor beijar logo o amigo, o que meus colegas sempre fazem quando não estou, do que tentar explicar.
Dia desses atendi a um telefonema da Adriana, que me perguntava sobre o figurino do espetáculo Tormentas da Paixão. E lá vai eu, dentro do taxi no Rio de Janeiro, falando: "O vestido ficou ótimo em mim, adorei. A cintura está perfeita. O zíper nas costas eu peço pra algum dos caras fechar. Mas prefiro meia-calça fio 40, que é mais confortável, não desfia tão fácil e deixa minhas pernas quentinhas no ar condicionado." O motorista catou uma guia e não olhou mais pra mim. Nem me cobrou a corrida com medo de pegar no meu dinheiro ganho sabe-se lá como. Coisas de taxistas cariocas. São muito fiéis a Deus e aos maridos.
Bem, então já sabem. Se nos virem por aí falando de sexo de boca cheia e nos gabando de que foi muito bom e que todos se divertiram a valer, não se iludam. Trata-se de comédia e não de romance. E quando estivermos, com excessão do Welder, falando de maquiagem e travecos, é só teatro.





Ricardo Pipo
Ator da Cia. de Comédia
Os Melhores do Mundo

14 comentários inúteis:

  1. Já li e reli esse texto mais de dez vezes desde que o recebemos, e não consigo não rir, sempre!

    :)

    ResponderExcluir
  2. Adoro o Ricardo Pipo e adorei o texto. Já li umas 2x e sempre acabo rindo quando leio de novo. Gênio. ;D

    ResponderExcluir
  3. Ricardo, há lugar pra mais um na tua companhia teatral?

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Mesmo aqui em Brasília, berço da Cia, as pessoas demoram a associar o nome à pessoa. Quando eu digo "vamos ver Sexo" parece um convite para ir ao Cine Ritz... e se fosse?! Qual o problema?
    Pior é a hipocrisia das pessoas. Falar em cabeças estouradas por balas, falar em guerras, procurar fotos de acidentes na internet é algo normal, mas falar sobre sexo não pode?
    "Engraçado" também a estranheza das pessoas ao ouvirem um homem falar em maquiagem e a normalidade ao escutarem sobre a violência ali na esquina.
    Triste ver que existem tantos tabus em coisas tão normais... mulher não fala sobre maquigem? Qual baton fixa mais, se o corretivo é amarelo ou verde... e por aí vai? Por que homem não pode?
    Bestas destes empresários que por bobagens deixam passar a oportunidade de vincularem os nomes de suas empresas a um espetáculo tão bom quanto SEXO por conta de um pudor tão idiota.

    ResponderExcluir
  6. "Sexo no Nordeste vai ser muito bom, não tenho dúvida." ahhh, tragam Sexo pra Paraíba! \o/
    muito foda o texto, mesmo!

    ResponderExcluir
  7. Porra, ri demais!!
    Como eu queria Sexo aqui em SC!
    O nome "Os Melhores do Mundo" justifica tudo! São fodas!

    ResponderExcluir
  8. kkkk Muito bom o texto! Eu vi alguns vídeos desse Melhores do Mundo e é ótimo o espetáculo!
    Sucesso pra eles, que façam muito Sexo por aí e divirtam-se! rs

    http://vivereler.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  9. Putz!!!! Isso explica muita coisa....agora eu entendi tudo!!!!
    rsrs

    ResponderExcluir
  10. Adorei! Isso é verdade mesmo e como falou a Fabiane, falar e explicar como foi um caso de violência pode mas falar sobre sexo não. Ah vá..

    ResponderExcluir
  11. Ah...tragam Sexo também para Belém!!! :) Amo as peças de vcs, não perdia uma qdo morava em Bsb!

    ResponderExcluir
  12. No Brasil pode tudo e não pode nada, o povo mais bacaba de todos os continentes parece que ainda vive no século 19 mostra Sexo pode, falar de sexo pode! só associe Sexo a pessoas porque talvez elas não gostem. Gostei muito do texto.

    ResponderExcluir
  13. lembrei de quando as dançarinas do famoso 'molin rouge' fizeram apresentação no rio. tiveram que mudar o fugurino, e incluir a calcinha, pois no pais com os menores biquinis, não se pode subir num palco sem.
    ah, santa hipocrisia, viu!! ridiculo!

    adoreio texto! realmente revoltante esse preconceito contra artistas. obra, é obra, e realidade é realidade. (mesmo com alusões, continuam sendo coisas diferentes!)

    ResponderExcluir
  14. Simplesmente fantástico o texto do Ricardo, e é lamentavel pensarmos que em pleno sec. 21 existe tanta hipocrisia e pudor em falar abertamente sobre um assunto tão presente na nossa vida basicamente desde nossos 11, 12 anos de idade (sejamos sinceros que é com essa idade que começamos a compreender o que é o que).

    ResponderExcluir

Vai, comenta! Não dói nada!