31 de outubro de 2010

Hallo... em quem?


Nesse dia de Halloween atípico pra nós brasileiros, em que todo maior de 18 e menor de 70 anos precisa, obrigatoriamente, escolher se quer ser sugado durante 4 anos por um vampiro azul ou por uma jararaca vermelha, estou aqui para pentelhar vocês com meu garfinho do capeta, meu chicote da tiazinha e com minha risadinha estilo Mutley.

O dia de hoje nos Estados Unidos é tradicionalmente comemorado, é quando as crianças tiram suas roupas naturais de capeta e vestem outro tipo de fantasia. Elas saem às ruas passando de casa em casa com um propósito diferente do de quebrar o vidro da janela ou as roseiras do jardim: elas pretendem ganhar doces. E é usando a pergunta “gostosuras ou travessuras?” (na verdade, na verdade, em inglês “trick or treat?”) que elas aterrorizam cada morador de sua rua, ou até mesmo de seu bairro. Bom, pra mim, a pergunta “gostosuras ou travessuras?” se encaixaria muito melhor em um filme pornô-masoquista, mas tudo bem.



Dia das Bruxas me lembra também filme de terror. Nunca gostei muito de assistir, não vejo muita graça. Tá, eu sei, não é pra achar graça mesmo, afinal não é uma comédia. Mas é que eu acho tudo tão falso, não me impressionam com efeitos especiais e maquiagens bem-feitas.

Pra mim, filme de terror de verdade é assistir ao antigo “Linha Direta” só com casos de assassinos ainda foragidos, sozinha em casa, numa noite chuvosa... Já fiz isso e não conseguia nem me mexer pra ir ao banheiro, podia jurar que tinha um assassino no meu quarto a cada ruído estranho que ouvia. Sou louca?


Uma coisa legal (ou não!) que fico imaginando é se a tradição do Dia das Bruxas fosse natural também à cultura brasileira. Como seria? Os pirralhos melequentos correndo pelas ruas, gritando...

Visualizem a cena, você está em casa tranquilamente, num domingo cheio de tédio, de repente toca o interfone e você escuta: “dá doce aê, tio! Se não der, arranho seu carro, roubo sua TV e seu notebook, fica esperto... e não vem com bala de café não, eu quero bombom serenata, batom, talento... passa a caixa toda logo. Perdeu, tio!”. Ao invés de fantasias fofinhas, os fedelhos usariam mascara de meia-calça ou de lã preta.

Achou estranho? Então, pense que ao invés de doce a criança está pedindo seu celular e veja se não soa mais familiar. É, queridos, vivemos num Halloween diário, reparem.

Mas ano que vem, pra fazer um belo Halloween, siga essas instruções: vá pra balada no dia anterior, chegue de madrugada em casa, durma de maquiagem e de cabelo solto, coloque o relógio pra despertar às 9h, acorde e vá direto ao quarto do seu irmão mais novo e pare ao lado da cama olhando fixamente para ele dormindo. Te garanto que o grito que ele vai dar ao abrir os olhos vai te fazer rir por mais de um mês. Eu garanto! Afinal, não há ninguém no mundo que não tenha medo de acordar e dar de cara com a Amy Winehouse, até ela mesma tem. É diversão garantida pra toda a família.

Agora, se você quer se divertir esse ano, ainda hoje, é até mais fácil: dê parabéns pra sua sogra juntamente com uma vassoura com um laço de presente. Ou, na falta de uma sogra, serve sua mãe mesmo. Garanto que não faltará emoção. Boa sorte!

OBSERVAÇÃO IMPORTANTE:

VOTEM NO TPM NO PRÊMIO TOPBLOGS neste link: http://bit.ly/dCS3Wh

14 comentários inúteis:

  1. Ótimo texto como sempre, Carol! Adoro esse blog :)

    ResponderExcluir
  2. Uma verdade absoluta: vivemos um Halloween diário!!
    Beijoooo :)

    ResponderExcluir
  3. Concordo Pleeenamenteeee! HAHA' Otimoo post! *-*

    ResponderExcluir
  4. Cara...
    Euu ri muitoo!

    Óteeemo texto Carol!

    ResponderExcluir
  5. #RiAlto!
    Carol! Excelente texto.... Mas cabe uma critica (não ao texto... mas aos brasileiros), Por que Diabos ninguém comemora o "Dia do Índio"?

    E eu não sou xenófobo... mas, fica a pergunta!

    ResponderExcluir
  6. aqui tem a aporrinhação do Cosme e Damião. vc escreve bem, faz um assunto banal ter graça. eu só achava gra em Cosme e Damião até os 12 anos de idade...

    ResponderExcluir
  7. Carol é Carol e arraza! Halloween diário é a unica verdade que chega a doer mesmo! Amo esse blog de paixão, ou seguidora e acompanho sempres os posts. Ja votei tb, fiz minha parte.
    Beijos amomuitotudoisso S2

    ResponderExcluir
  8. criança pedinte e assaltante não é halloween é miseria, descaso, humilhação e omissão.



    não tem nada de engraçado nisso.

    ResponderExcluir
  9. Rayssa, também não vejo nenhuma graça.
    Por isso mesmo que disse que vivemos num Halloween diário.
    Há mais crítica que humor nesse texto, perceba.

    Cada um faz as analogias que lhe cabe.

    ResponderExcluir
  10. Eu não devo ser normal, mas, dou MUITA risada com filme de terror...mais do que com comédia, sério!...
    Enfim... (só pensei nisso pra falar...rs)
    Bjo sua linda

    ResponderExcluir
  11. Se tu for louca, somos duas..eu também tinha mais medo de assistir 'Linha Direta' numa noite chuvosa sozinha em casa, do que ver um filme de terror (que assisto e dou risada sempre, eu também não devo ser normal hahaaa).. quantas vezes deixei de ir no banheiro (que beeem antigamente era fora de casa, num outro cômodo) por medo de algum bandido estar escondido no meu quintal hahahaha
    Halloween diário concerteza!
    Adorei o post.

    bjus***
    Nana Japinha ^_~

    ResponderExcluir
  12. O assunto é Hallowen e toda uma crítica social em cima do texto, mas eu me apeguei mesmo foi a uma pergunta que vc fez: "Sou louca?"
    A resposta é: Vc ainda tem dúvidas?? hehe


    Adoro esse blog, cada garota tem um estilo e isso não deixa o blog monótono, é sempre uma surpresa (agradável)ler o TPMsemanal!

    ResponderExcluir
  13. ahuhauhauha não tinha tido tempo de ler ainda amei Carol é verdade vivemos em Halloween 24 horas por dia não importa qual seja a situação sempre tem uma assombração pra sair de traz da porta e gritar Buh! bem na nossa cara.

    ResponderExcluir
  14. uahauhauhauhauahua!!

    #euri com as suas sugestões de "comemoração"!
    maass, dia 31/10 é dia do saci!!
    então temos q comemora-lo!! (sim, sou nacionalista)

    ResponderExcluir

Vai, comenta! Não dói nada!